Festivais/Mostras, Notícias

Prêmio Desterro inicia na próxima terça (25/01) com cobertura do Dança em Pauta

Nesta terça (25/01), depois de dois anos inerte, pelas restrições impostas pela pandemia, o Prêmio Desterro – Festival de Dança de Florianópolis volta ao calendário artístico do Sul do Brasil, com sua tradicional mostra competitiva que reúne uma diversidade de talentos brasileiros no palco, além de estrelas da dança no júri e na intensa programação de workshops. As atividades, que vão até o dia 30/01, serão realizadas no Teatro Ademir Rosa, anexo ao Centro Integrado de Cultura (CIC), e no Boulevard 14/32, área de lazer e compras do Aeroporto Internacional Hercílio Luz.

A convite da organização, o portal Dança em Pauta estará presente fazendo a cobertura do evento!

A 11ª edição do festival marca o retorno do maior palco de dança da Capital catarinense com novidades, uma delas é o fato de, pela primeira vez, o evento ser realizado durante o verão, pois sempre ocorreu entre os meses de agosto e setembro. Além disso, a sede da mostra paralela comentada será no espaço de entretenimento do Floripa Airport, espaço inaugurado em 2019.

Corpo de Baile Danzaria, de Jundiaí-SP. | Foto: Claudio Etges

A agenda competitiva, distribuída em nove sessões nos seis dias, será a mais longa da história do festival. A premiação total de R$ 26.500 é a maior oferecida pela competição, bem como bolsas de estudos e audições para instituições e congressos nunca antes parceiros. Além disso, o mundo vive um panorama sanitário sem igual, o que interferiu em todo o planejamento do festival, inclusive a novidade da meia lotação permitida no teatro.

Fora as atrações de palco, o festival também programou a mais extensa agenda de cursos de todas as edições: 28 workshops ministrados por uma equipe de 14 conceituados professores de diferentes regiões do país e do exterior.

“Fechamos por dois anos sem ressalvas. O cenário é outro. O festival é uma vitrine. Nunca teve o intuito de funcionar por si, mas, sim, ser uma vitrine para os grupos e escolas promoverem seus trabalhos. Hoje, nossa missão se tornou evidente para contribuir na retomada e fomento à dança”, conclui o diretor-geral do Prêmio Desterro, Carlos Eduardo de Andrade.

Espetáculo

Neste ano, mais de 1.000 bailarinos de 118 grupos, companhias e escolas selecionados da Bahia, Espírito Santo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo exibirão cerca de 500 coreografias, divididas nas duas mostras.

São trabalhos de balé neoclássico, balé clássico de repertório, dança contemporânea, danças populares, danças urbanas, jazz e sapateado, assinados por 247 coreógrafos, dos eternizados pela história aos criadores atuais.

“Foram dois anos buscando soluções para manter a arte viva! Adotamos uma postura respeitosa e tolerante, sendo empáticos com todos os pedidos e cumprindo as normas sanitárias do Estado para que a saúde prevaleça. Será um festival de bailarinos e para bailarinos, com muita troca de informações e dias intensos de cursos com renomados profissionais, reciclando e renovando o corpo com novos movimentos e muitos aprendizados”, comenta o diretor artístico, Pavel Kazarian.

PREMIAÇÃO

A premiação total em dinheiro soma o valor inédito de R$ 26.500. Os três primeiros colocados por pontuação nos subgêneros solo feminino, solo masculino, duo e conjunto, nas categorias júnior e adulto, serão anunciados ao fim de cada noite e receberão troféus.

No último dia, os melhores trabalhos de balé neoclássico, balé clássico de repertório, danças populares, danças urbanas, jazz e sapateado, na opinião dos jurados, ganharão R$ 1.000.

A melhor concepção coreográfica, o melhor desempenho cênico e a melhor inovação e experimentação em dança contemporânea, sem divisão por sexo, receberão prêmio no valor de R$ 500 cada um.

Grupo Raça Centro de Artes no Prêmio Desterro 2017. | Foto: Claudio Etges.

Os vencedores das categorias júnior e adulto do Grand Prix (solos de balé) levarão R$ 1.000. O prêmio ao melhor bailarino e à melhor bailarina do Festival também será de R$ 1.000. O mesmo valor será dado ao melhor coreógrafo.

Todos os participantes poderão ser indicados ao Prêmio Destaque, de R$ 2.000, outorgado a um bailarino, grupo, escola, figurinista, ensaiador, coreógrafo ou conjunto de obra que tenha se evidenciado.

O grande campeão do Festival receberá R$ 10.000.

Os vencedores da Batalha de Danças Urbanas, que ocorrerá em paralelo no Floripa Airport, ganharão R$ 1.000 por modalidade: Breaking e Hip Hop Freestyle.

VAGAS E PARCERIAS

Os primeiros colocados em cada gênero/subgênero/categoria terão vaga garantida para se apresentar na edição seguinte do Prêmio Desterro, podendo inscrever coreografia de igual combinação, sem necessidade de passar pelo processo seletivo.

Um bailarino, entre todos os participantes, será contemplado com bolsa integral para a 15ª edição do Congresso Internacional de Jazz Dance, organizado por Marcela Benvegnu e Erika Novachi, de 18 a 25 de abril de 2023, em Indaiatuba (SP). A escolha será feita por elas em qualquer momento do festival.

A Escola do Teatro Bolshoi no Brasil ofertará vivências para dois bailarinos e cursos para três professores, em sua sede, em Joinville (SC), além de um curso online de “Preparação” durante seis meses. A direção artística e o júri do festival apontarão os selecionados.

Em parceria inédita, a OU School of Dance, da Universidade de Oklahoma, no Estados Unidos, realizará uma audição de novos talentos, aberta a qualquer dançarino, no dia 27 de janeiro, às 14h, no Espaço Desterro (Espaço Lindolf Bell), anexo ao Centro Integrado de Cultura (CIC). As inscrições são gratuitas e devem ser feitas no site dance.ou.edu/apply/auditions.

Duas inscrições gratuitas para o Festival Internacional de Dança de Goiás, que ocorrerá de 5 a 10 de julho, serão destinadas a grupos ou solistas que tenham alcançado alguma das primeiras colocações do Prêmio Desterro.

SELEÇÃO E AVALIAÇÃO

A comissão selecionadora foi composta pelos professores e coreógrafos Matheus Brusa, de Caxias do Sul (RS); Regina Sauer, do Rio de Janeiro; mais Ariate Costa, Luanna Gondim e Mônica Gross, que integram o corpo docente da Escola do Teatro Bolshoi no Brasil (ETBB), em Joinville (SC); além da jornalista e pesquisadora de dança Marcela Benvegnu, de São Paulo.

Vinte profissionais formarão a comissão julgadora, sendo que cada gênero será avaliado por bancas específicas:

  • Balé neoclássico e clássico de repertório: Eta Spadari (Joinville/SC), Gisele Bellot (São Paulo), Inês Bogéa (São Paulo), Maikon Golini (Joinville/SC) e Priscilla Yokoi (São Paulo)
  • Dança contemporânea: Alan Keller (Belo Horizonte), Jorge Garcia (São Paulo), Jussara Xavier (Florianópolis), Karina Collaço (Florianópolis) e Luiz Bongiovanni (Curitiba)
  • Danças populares: Esha (Florianópolis), Jesse Cruz (Joinville/SC) e Marco Aurelio da Cruz Souza (Pelotas/RS)
  • Danças urbanas: Bruna Oeschler (Blumenau/SC), Erika Novachi (Indaiatuba/SP) e Juliana Kis (Paris/França)
  • Jazz: Edy Wilson (São Paulo), Erika Novachi (Indaiatuba/SP), Kika Sampaio (São Paulo) e Marcela Benvegnu (São Paulo)
  • Sapateado: Kika Sampaio (São Paulo), Marcela Benvegnu (São Paulo) e Marina Coura (Florianópolis)

INGRESSOS

Obedecendo as normas sanitárias, serão disponibilizadas apenas 500 poltronas no Teatro Ademir Rosa (CIC), equivalente a 50% de sua capacidade de lotação, para a mostra competitiva. Os lugares são demarcados com distanciamento para todas as sessões.

As entradas estão à venda exclusivamente no site www.blueticket.com.br: R$ 50 (inteira), R$ 40 (Clube NDmais e Clube NSC), R$ 25 (meia) e R$ 20 (bailarino participante do festival).

Para acessar a plateia é obrigatório o uso de máscaras e comprovação do esquema vacinal completo (duas doses) em adultos ou primeira dose em adolescentes de 12 a 17 anos.

As apresentações do Palco Aberto Comentado (mostra paralela) e as finais da Batalha de Danças Urbanas, entre os dias 27 e 30, no Floripa Airport, são gratuitas e abertas ao público.

PALCO ABERTO COMENTADO

O Palco Aberto Comentado, mostra paralela sem competição e comentada por um profissional convidado, ocupará pela primeira vez o Boulevard 14/32 – área de entretenimento, lazer e compras do Floripa Airport –, marcando a estreia da região Sul da cidade no mapa do Prêmio Desterro.

Entre os dias 27 e 30, mais de 200 coreografias selecionadas, de diferentes gêneros, serão exibidas por grupos e companhias do Espírito Santo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo, sempre às 12h.

Marcela Benvegnu (São Paulo), nos dias 27 e 29; Alan Keller (Belo Horizonte), no dia 28; e Edy Wilson (São Paulo), no dia 30; analisarão a concepção e a composição coreográfica, o desempenho técnico e a harmonia da proposta com a apresentação visual e/ou musical dos trabalhos. Os comentários – feedback importante para contribuir com o crescimento do grupo, do coreógrafo ou da escola – serão fornecidos restritamente aos participantes.

O Boulevard 14/32 é um espaço amplo, aberto, com bastante ventilação natural e acesso livre. De qualquer forma, serão seguidos os protocolos sanitários de uso obrigatório de máscara, distanciamento social e higienização das mãos com álcool gel.

Selecionado pelo Edital Aldir Blanc 2021, o projeto Palco Aberto Comentado foi contemplado com recursos do Governo Federal e da Lei Aldir Blanc de Emergência Cultural, por meio da Fundação Catarinense da Cultura (FCC).

Na estrutura do Aeroporto Internacional Hercílio Luz também será oferecida programação noturna, sempre às 19h. Nos dias 27 e 28, ocorre a ação “A Dança Está no Ar”, com apresentação de escolas de dança locais na primeira noite, sob curadoria do produtor do Prêmio Desterro, Daniel Pozzobon. Já as atrações da segunda noite serão academias integrantes do Nudança (Núcleo das Escolas de Dança da Associação Empresarial de Florianópolis/Acif).

As duas últimas noites são reservadas às disputas da Batalha de Danças Urbanas, nas modalidades Hip Hop Freestyle e Breaking.

BATALHA DE DANÇAS URBANAS

A Batalha de Danças Urbanas está de volta ao Prêmio Desterro. Criada em 2018, a competição foi realizada apenas uma vez, e agora ganha espaço privilegiado no festival.

Dividida nas modalidades Breaking e Hip Hop Freestyle, as seletivas ocorrerão às 12h do dia 29, no Teatro Ademir Rosa (CIC), onde serão escolhidos 16 concorrentes em cada.

Pode participar qualquer dançarino, sem restrição. Basta efetuar a inscrição, gratuitamente, no mesmo dia, das 8h às 11h, no próprio local.

As competições entre os selecionados estão agendadas para o palco do Boulevard 14/32, no Floripa Airport, às 19h: dia 29, sábado, Breaking; dia 30, domingo, Hip Hop Freestyle.

O júri será composto por um time de profissionais de Santa Catarina: Vovo Uantpi (Criciúma), Rogério Ribeiro (Garopaba), Gui Fant (Florianópolis) e Xande Star Crew (Balneário Camboriú).

O vencedor de cada modalidade receberá prêmio de R$ 1.000 em dinheiro.

WORKSHOPS

Foram programados 28 workshops para abranger diferentes gêneros de dança. As aulas ministradas por 14 professores de Minas Gerais, Paraná, Santa Catarina, São Paulo e França ocorrerão de manhã e à tarde, em todos os dias do festival, no Espaço Desterro (Espaço Lindolf Bell), no CIC.

Cada aula dura 90 minutos e a matrícula custa R$ 70, exceto o workshop de dança contemporânea de Luiz Bongiovanni, no valor de R$ 100. As vagas são limitadas e abertas a todos os interessados, independentemente de estarem participando do festival. As inscrições devem ser feitas no site do evento.

APOIOS & PATROCÍNIOS

O 11° Festival de Dança de Florianópolis é uma realização da Secretaria Especial da Cultura/Governo Federal com organização do Instituto Cultural Desterro. Conta com o patrocínio da CGT Eletrosul, do BRDE, da Celesc Distribuição, da Videplast e da Teltec, por meio da Lei de Incentivo à Cultura (Lei Rouanet); além do patrocínio da Fundação Cultural de Florianópolis Franklin Cascaes/Prefeitura Municipal de Florianópolis e apoio da Bee The Change, da Fecoagro e da Jomani Corretora de Seguros, por meio da Lei Municipal de Incentivo à Cultura; como também o apoio institucional do Floripa Airport.


O que: Prêmio Desterro – 11° Festival de Dança de Florianópolis
Quando: 25 a 30/01/22
Onde: Florianópolis-SC
Programação/Informações: www.premiodesterro.com.br

Previous ArticleNext Article
Diretora do portal Dança em Pauta | Jornalista formada pela Universidade Tuiuti do Paraná, atuando na área desde 1997 como repórter, redatora e assessora de comunicação. Trabalhou em publicações segmentadas na área de entretenimento e cultura em Curitiba-PR, Maringá-PR e São Paulo-SP. Em 2010, lançou o portal Dança em Pauta com a proposta de empregar seu conhecimento em comunicação para divulgar a dança. É coautora do livro “200 anos de Dança de Salão no Brasil – Volume 4” (2012), organizado pelo pesquisador Marco Antonio Perna.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Send this to a friend