Comportamento, Em pauta

Alunos encerram 2013 com um “momento de artista”

O ano de 2013 terá um encerramento inesquecível para um grupo de “anônimos” que terão seu momento de artista em uma competição inspirada na Dança dos Famosos – quadro já tradicional do programa Domingão do Faustão, na TV Globo. A escola de dança de salão Oito Tempos, em Curitiba, organizou uma competição nos moldes do programa Global, mas que, ao invés de apresentar “celebridades”, coloca em cena advogados, engenheiros, psicólogos, jornalistas e arquitetos, entre outros, pessoas cuja rotina diária está bem longe dos palcos, mas que abraçam com total dedicação a ideia de vivenciar a experiência de ser um artista.

A disputa foi dividida em três etapas e a final acontece neste sábado (21/12), no Clube Sírio Libanês, ao som do samba de gafieira. “A proposta é fomentar em nossos alunos uma experiência que vai além das aulas regulares e dos bailes que eles já estão habituados, desenvolvendo suas capacidades biopsicossociais através da investigação e pesquisa de movimentos, a rotina de preparação física e mental para os ensaios e apresentações, a cooperação e a cumplicidade com o parceiro e a superação de seus próprios limites em uma atividade artística e prazerosa”, explica a diretora da escola, Sheila Santos, que é professora da pós-graduação em Danças de Salão da Universidade Tuiuti do Paraná nas disciplinas de Fundamentos das Danças de Salão e Composição Coreográfica.

Competidores e orientadores na preparação, momentos antes da apresentação

Na “Dança dos Nem Tão Famosos”, como foi intitulada a competição, participam seis alunos, três homens e três mulheres. Eles formam pares com colegas um pouco mais experientes, os bolsistas, alunos que fazem um grande número de aulas. As coreografias são criadas pelos próprios competidores, mas cada casal é orientado por um professor da escola, que também os ajuda na escolha da música e figurino.

Como aconteceu nas etapas anteriores, os seis casais apresentarão sua coreografia e serão avaliados pelo voto do público e também por um júri formado por profissionais de destaque. A primeira etapa contou a participação de Eleonora Greca, primeira bailarina do Teatro Guaíra por mais de 20 anos. Já a segunda etapa, teve entre os membros do júri Fábio Reis, bicampeão nacional de forró.

“Acho legal a ideia da competição pelo fato de você se esforçar mais pra fazer algo bacana em que você terá pessoas te avaliando”, comenta a arquiteta Andreia Lagner, a aluna mais antiga participando da disputa. Ela é concorrente do marido, o advogado Luiz Eduardo Carvalho, aluno com menos tempo de aulas na competição. “É divertido porque já temos um perfil competitivo, então é mais uma brincadeira pra nós, a gente fica se provocando. Mas na verdade a competição pra mim fica em segundo plano, encaro mais como um desafio pessoal. Dançar é uma coisa nova pra mim, é sair daquela área de conforto que a gente fica”, relata Luiz.

Casais na disputa

Mas se para ele o aprendizado é o mais importante, sua concorrente, a bolsista Isabela Castro, que trabalha com gestão financeira, não hesita em dizer que a competição é estimulante. “Sou bem competitiva, o objetivo é ganhar, é fazer bonito, dar o melhor. É gratificante saber que você se esforçou e alcançou um objetivo, teve resultado, não só ficar em último e achar bonitinho dançar. Eu falei pro meu parceiro: ‘Se agiliza porque eu não quero ficar em último lugar não’”, afirma.

Já a bolsista Tatiane Winkler, doutoranda em Química, ressalta as descobertas pessoais que a atividade proporciona. “Está sendo muito legal participar, porque a dança pra mim é algo que além de relaxar, traz mudanças pra minha vida pessoal. Existem dificuldades que encontramos na dança que revelam características pessoais que descubro que preciso mudar em mim”, descreve.

Casais na disputa

Mas além da competição e dos desafios pessoais enfrentados por cada participante, Sheila destaca que a ação também é uma forma de trabalhar a formação de plateia para a dança: “O contato deles com a realidade do profissional de dança traz uma mudança de conceitos e uma visão diferente na próxima vez em que forem assistir a um espetáculo. Eles também acabam estimulando parentes e amigos a apreciarem a dança, porque uma coisa é convidar o amigo para assistir um espetáculo, outra coisa é convidar este mesmo amigo para assistir a sua apresentação. A motivação é outra, a pessoa já chega mais aberta”.

  • O que: Etapa Final da Dança dos Nem Tão Famosos
    Quando: 21/12, às 22h
    Onde: Clube Sírio Libanês
    Onde: Rua Padre Germano Mayer, 1347 – Alto da XV
    Informações: 41 3232.0192
Previous ArticleNext Article
Jornalista formada pela Universidade Tuiuti do Paraná, atuando na área desde 1997 como repórter, redatora e assessora de imprensa. Em 2010, lançou o site Dança em Pauta com a proposta de empregar seu conhecimento em comunicação para divulgar a dança. Trabalhou em publicações segmentadas em Curitiba e São Paulo. Desde 2004, desenvolve trabalho de assessoria de comunicação para profissionais e empresas atuando no planejamento e execução de estratégias de comunicação interna e externa, produção de conteúdo, publicações corporativas e assessoria de imprensa.

1 Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Send this to a friend